Geral

Taxa de desemprego recua para 13,7% em junho, diz Ipea

O percentual foi atingido depois de ficar em 15,1% em março. A taxa de desocupação dessazonalizada é a menor apurada desde maio de 2020.
27/09/2021 14h30 - atualizado

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgou, nesta segunda-feira (27) , no Rio de Janeiro, um estudo onde aponta que o desemprego recuou para 13,7% em junho, último trimestre móvel iniciado em abril.

O percentual foi atingido depois de ficar em 15,1% em março. Em relação à taxa de desocupação dessazonalizada, que exclui os efeitos das variações sazonais do conjunto dedados temporais em junho (13,8%), é a menor apurada desde maio de 2020.

A pesquisa do Inpea mostrou, ainda, que o crescimento recente das contratações tem ocorrido, principalmente, em setores que empregam mais mão de obra informal. Entre eles, estão o setor da construção, que registrou alta anual da população ocupada em 19,6%, a agricultura (11,8%) e os serviços domésticos (9%).

De acordo com outro dado do estudo, no segundo trimestre de 2021, na comparação interanual, a expansão dos empregados no setor privado sem carteira atingiu 16% e a dos trabalhadores por conta própria, 14,7%.

Ainda com base nos dados da PNAD Contínua, o aumento do emprego no segundo trimestre se espalhou por todos os seguimentos da população, se comparado ao mesmo período do ano anterior. Teve destaque o crescimento da ocupação entre as mulheres (2,2%), jovens (11,8%) e trabalhadores com ensino médio completo (7,0%).

Segundo a pesquisadora Maria Andréia, mesmo com os resultados positivos, alguns indicadores importantes mostram que outros aspectos do mercado de trabalho brasileiro permanecem em patamares desfavoráveis. Ela destacou que a alta da ocupação tem ocorrido muito em cima da informalidade.

A pesquisa analisou o desempenho recente do mercado de trabalho, com base na desagregação dos trimestres móveis da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e em informações do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia.

Mais conteúdo sobre:

Mais na Web