Piauí

TCE-PI vai realizar auditorias na educação, saúde, segurança e TI

O Pleno do Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE) aprovou a definição de sete temas que serão fiscalizados nesta quinta-feira (23).
  • DA REDAÇÃO
23/05/2019 18h00 - atualizado

Na manhã desta quinta-feira (23), o Pleno do Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE) aprovou a definição de sete temas que serão fiscalizados, em caráter extraordinário, pela Diretoria de Fiscalizações Especializadas (DFESP) no segundo trimestre de 2019, nas áreas de de educação, saúde, segurança e tecnologia da informação.

O Secretario de Controle Externo do TCE/PI, Bruno Cavalcanti, explica que a Diretoria de Fiscalizações Especializadas foi criada este ano, após aprovação da reestruturação do TCE-PI, e é formada por três divisões de fiscalização específicas: Divisão de Fiscalização da Educação, Divisão de Fiscalização da Saúde e Divisão de Fiscalização Temática Residual e Tecnologia da Informação. A proposta é ter uma ação mais presente do Tribunal na fiscalização de políticas públicas.

  • Foto: Hélio Alef/ViagoraTribunal de Contas do EstadoTribunal de Contas do Estado

Os sete temas propostos, e agora aprovados pelo Pleno do TCE/PI, foram definidos após um estudo técnico realizado pelas três novas divisões, levando em consideração a viabilidade, recursos financeiros e tecnológicos disponíveis, mas, principalmente, o alcance e importância social de cada atuação.

Os temas aprovados e que serão fiscalizados são os seguintes: – Auditoria temática: professores fora da sala de aula; Fiscalização das unidades escolares com autorização de funcionamento vencida ou descredenciadas pelo Conselho Estadual de Educação; – Auditoria temática para verificar atrasos nos pagamentos dos benefícios referentes ao “Tratamento Fora de Domicílio” (TFD) – originária de denúncia referente a irregularidades na SESAPI (TC/00 1298/2019);  – Auditoria temática para verificar efetividade da prestação dos serviços médicos a partir dos seguintes pontos: a) formas de vínculo dos médicos; b) acúmulo de cargos; c) cumprimento da carga horária dos profissionais médicos (Jornada de trabalho); d) vencimentos e gratificações (verificação do grande volume de pagamento de plantões extras); pagamento de abonos de faltas e concessões legais; f) falha da alimentação do CNES; g) verificação de inconsistências do registro dos conselhos; h) observância do teto constitucional; i) observância dos limites de gasto com pessoal; Fiscalização na ATI, tendo por objeto de auditoria o contrato de implantação do sistema de desenvolvimento da folha e gestão de pessoas; Levantamento da governança da Segurança Pública, materializado por meio do IGovSeg; Auditoria no Plano Estadual de Segurança Pública.

Mais na Web