Piauí

Teresa Britto propõe projetos de proteção às mulheres no Piauí

Ao Viagora, a deputada afirmou que no Piauí há registro de muitos casos de violência contra a mulher, e destaca alguns projetos de sua autoria em prol dessa causa.
17/07/2021 07h20 - atualizado

Com os casos de violência conta a mulher que têm ganhado em repercussão no estado e a nível nacional, como o DJ Ivis e mais recentemente do advogado acusado de estuprar uma mulher na zona Leste de Teresina, a deputada Teresa Britto (PV) comentou em entrevista ao Viagora sobre alguns projetos de lei que tem trabalhado na Assembleia Legislativa (Alepi) destinados para a proteção e valorização da mulher no estado.

A parlamentar afirma que no Piauí há registro de muitos casos de violência contra a mulher, e destaca alguns projetos de sua' autoria em prol dessa causa, como um projeto que permite que síndicos de condomínios acionem a polícia ao perceberem que alguma mulher está sendo vítima de algum tipo de violência.   

“Aqui no Piauí também tem acontecido muitos casos de violência contra a mulher. A nível nacional nós temos visto, inclusive com grande repercussão por serem pessoas públicas, artistas. Aqui nós temos um projeto, que foi inclusive aprovado, onde síndicos deve acionar a polícia em caso de violência nos condomínios do estado do Piauí. Isso é para proteger as mulheres que às vezes se sentem coagidas, por medo de morrer. Muitas morreram porque fizeram a denúncia e não tiveram a proteção do poder público, inclusive casos aqui no Piauí”, explica a deputada.

  • Foto: Luís Marcos/ViagoraDeputada Teresa BrittoDeputada Teresa Britto (PV)

Um outro projeto que Teresa Britto destaca é uma proposta que permite que mulheres que são funcionárias públicas e que estão sob medida protetiva tenham direito a uma licença remunerada de seis meses para se organizarem e mudar de endereço, por exemplo.

“Outro que nós temos também de proteção as mulheres, é permitindo que as mulheres que trabalham no serviço público que estejam sob medida protetiva do estado que eles possam ter uma licença de seis meses remunerada para mudar de logradouro e se organizar enquanto ela tem toda essa questão da proteção contra o agressor”, comentou.

Anda segundo a deputada, ela vem trabalhando na Assembleia formas para proporcionar mais segurança e valorização à mulher em todos os segmentos da sociedade.

“A gente tem trabalhado muito aqui na Assembleia essa questão também da valorização da mulher nos espaços, na questão de as mulheres terem a sua igualdade em termos de trabalho, você trabalhar no seu segmento e tem uma função e às vezes ganha menos que o homem. Então, as empresas vão receber o selo ‘Amiga da Mulher’, é um projeto de nossa autoria valorizando a importância da mulher em todos os seguimentos da sociedade”, finalizou.

Mais na Web