Piauí

Teresina inicia aplicação da 2ª dose da vacina contra a Covid-19

De acordo com o presidente da FMS, Gilberto Albuquerque, o grupo da segunda etapa de vacinação dependerá do número de idosos, devido ao número de doses que a FMS recebeu.
  • LAÍS VITÓRIA
12/02/2021 12h20 - atualizado

2ª dose da vacina contra a COVID-19 em Teresina

Na manhã desta sexta-feira (12), os seis primeiros vacinados com a primeira dose da Coronavac no Piauí receberam a segunda dose da vacina. A aplicação aconteceu na sede da Fundação Municipal de Saúde (FMS), zona Norte de Teresina.

A FMS continua a aplicar a primeira dose em quem faz parte do grupo prioritário definido pelo Ministério da Saúde, mesmo com a aplicação da segunda dose.

Além da vacinação simbólica dos seis primeiros vacinados, todos os idosos em abrigos e profissionais de saúde da linha de frente que receberam a primeira dose também serão imunizados com a segunda dose da vacina.

De acordo com o presidente da FMS, Gilberto Albuquerque, o grupo da segunda etapa de vacinação dependerá do número de idosos, devido ao número de doses que a FMS recebeu. Vale lembrar que a vacinação dos idosos com 90 anos ou mais continua seguindo o calendário.

Gilberto explica que a aplicação da segunda dose seguirá o mesmo modelo da primeira. Nesta primeira etapa, aqueles grupos prioritários definidos no primeiro lote que receberam a primeira dose da vacina, tem o prazo de 21 a 28 dias para a receber a segunda. Segundo o presidente um dos problemas para a aplicação da segunda dose da vacina, é o fato de que as pessoas estão viajando ou contraíram doenças que implicam no recebimento da segunda.

"Durante a segunda dose algumas pessoas já não estão no lugar que elas receberam a primeira, algumas já tem doenças que não podem receber no momento a segunda dose, outros viajaram. Nós temos alguns pacientes que já não receberão a segunda dose, por razões pessoais deles", destacou.

O Diretor de Ensino e Pesquisa da Maternidade Evangelina Rosa (MDER), o médico obstetra Joaquim Vaz Parente, de 75 anos, que recebeu a segunda dose, afirma que a vacina é segura e eficaz.

“A vacina ajuda, a vacina não causa dano. O Instituto Butantan é uma instituição de excelência não apenas reconhecido a nível de Brasil, mas praticamente mundial, e por esta razão, as pessoas que estão com medo, não deveriam tê-lo. Não senti nenhuma reação, só aquela sensação de que tinha dado o primeiro passo no sentido de estar protegido", finalizou.

A técnica de enfermagem, Modestina Bezerra da Silva, de 60 anos, muito emocionada pediu para que a população se cuide e não deixe de tomar todos os cuidados. “Graças a Deus vou tomar a segunda dose, mas eu também tenho que ter todos os cuidados. Eu peço encarecidamente que vocês se cuidem, eu pedir uma grande amiga para a Covid, e mesmo sendo profissional da Saúde a gente fica sem saber o que fazer. É muito importante, temos que se cuidar", disse.

A médica e diretora de Vigilância em Saúde da FMS, Amariles de Souza Borba, 77 anos, conta que não apresentou nenhuma reação negativa a vacina, mas que isso depende de cada pessoa. “Eu não senti nada, não senti nem a picada da agulha. Não senti absolutamente nada, nem dor no local. Não tive febre, nem dor no corpo. Parece que nem vacina eu tomei. Agora isso depende de cada pessoa”, ressaltou

Foram imunizados no dia 18 de janeiro e receberam hoje a segunda dose:

1 - Joaquim Vaz Parente, médico obstetra de 75 anos, que atua há 45 anos na da Maternidade Dona Evangelina Rosa (MDER). Já realizou em torno de 20 mil partos em toda sua vida profissional e fez o terceiro parto da história da MDER;

2 - Sheyla Barbosa dos Santos, enfermeira de 33 anos, que atua na UTI Covid-19 do Hospital Natan Portella e foi responsável por receber o primeiro paciente com o vírus na unidade de saúde;

3 - Marta Regina de Sousa Madeira, técnica de enfermagem de 42 anos, funcionária do Hospital Getúlio Vargas (HGV);

4 - Modestina Bezerra da Silva, a técnica de enfermagem de 60 anos, que atua na UTI Covid-19 do Hospital Infantil Lucídio Portella e trabalha há 35 anos na unidade saúde;

5 - Ana Maria Brito dos Santos, de 52 anos, enfermeira da ala Covid-19 do Hospital da Polícia Militar, que tem 26 anos na profissão;

6 - Amariles de Souza Borba, 77 anos, médica e diretora de Vigilância em Saúde da Fundação Municipal de Saúde de Teresina.

Mais na Web