Piauí

Vendedores da Ceasa reclamam de queda nas vendas em Teresina

As festas de final de ano estão chegando e a pandemia do novo coronavírus, impactou bastante nas vendas do comércio em todo o Brasil.
21/12/2020 13h20 - atualizado

As festas de fim de ano estão chegando e a pandemia do novo coronavírus, impactou bastante nas vendas do comércio em todo o Brasil.

Na Nova Ceasa de Teresina, o movimento, segundo os comerciantes, neste ano está fraco, pois se espera nesta época de Natal, uma grande movimentação de pessoas comprando produtos para compor a mesa no fim de ano.

Em entrevista ao Viagora, o vendedor Gutenberg Freitas, disse que a demanda de vendas, está fora da normalidade esperada, pois na época que antecede as festividades do final de ano, sempre se têm uma movimentação muito grande em toda a Ceasa.

“O movimento está fora da normalidade, e não parece que estamos na semana de Natal. Os dias parecem normais e que não existe uma data especial chegando nesta semana. Mas ainda tenho esperanças de que até quinta-feira (24), na véspera, os clientes apareçam para as compras”, contou.

Raimundo Galeto, também um feirante do local, afirmou que para ele a movimentação de clientes, está dentro do esperado, as frutas são as que mais saem, o problema é só em algumas verduras que o preço teve uma alta, onde acabam não sendo levadas. “As vendas estão ótimas, não é igual ao ano passado neste mesmo período, mas dá para sobreviver. E por conta da pandemia eu já esperava sim essa baixa”, explicou.

Seu Raimundo, como é conhecido, ele está seguindo todas as recomendações de higiene, para evitar a disseminação da Covid-19, e ressalta que usa álcool 70%, nas mãos de todos os clientes, quando chegam em sua banca, para poder escolher o produto.

A cliente Verônica Soares, disse em entrevista, que já tem o costume de realizar suas compras na Ceasa, e que nesta semana que já é quase Natal, está surpresa, pois esperava uma movimentação de pessoas bem maior. “A movimentação está fraca, pois nesse período, a Ceasa costuma ficar bem cheia”, comentou.

Verônica ainda ressalta que os preços deste ano estão bem elevados em comparação aos anos anteriores, neste mesmo período. Em razão da pandemia da Covid-19, ela disse ainda, que percebeu que todas as pessoas que passam por ela, parecem estar se protegendo, conforme as regras sanitárias.

Mais conteúdo sobre:

Mais na Web