Piauí

Wellington defende gasolina a R$ 4,50 em reunião com Rodrigo Pacheco

A capitalização do fundo equalização do combustível é uma proposta apresentada pelos governadores para a redução do valor do combustível que custaria cerca de R$ 4,50.
  • LETÍCIA DUTRA
22/10/2021 07h46 - atualizado

Nessa quinta-feira (21), o governador do Piauí, Wellington Dias, participou de uma reunião em Brasília com o senador Rodrigo Pacheco, presidente do Senado Federal, para debater sobre o projeto referente a alteração do imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos combustíveis.

Os governadores do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, de Alagoas Renan Calheiros Filho, de Minas Gerais, Romeu Zema, da Bahia, Rui Costa, e de Sergipe, Belivaldo Chagas estiveram presentes na reunião.

A capitalização do fundo equalização do combustível como era executado em 2016 é uma proposta apresentada pelos governadores para a redução do valor do combustível. Dessa forma o combustível chegaria a custar cerca de R$ 4,50.

  • Foto: Roberta Aline/SecomGovernador Wellington Dias.Governador Wellington Dias.

Segundo Wellington Dias, os governadores presentes na reunião e o presidente do Senado concordaram que a alteração no preço dos combustíveis não deve ser colocada em cima do ICMS, pois o mesmo não sofre alteração por diversos anos.

Ainda segundo o chefe do Executivo estadual, a Petrobrás junto aos representantes dos estados e municípios participam da elaboração desta nova proposta. A nova agenda deve ocorrer na próxima semana quando será debatido o caminho a ser seguido.

De acordo com o projeto de lei que altera a cobrança tributária do ICMS sobre os combustíveis os estados perdem cerca de R$24,1 bilhões em arrecadação.

Por fim, os governadores reconheceram a alta carga tributária sobre a gasolina e afirma que a medida resultará na simplificação do sistema tributário, com a implantação do IVA (Imposto sobre Valor Agregado); o fim da guerra fiscal, e a possibilidade da pactuação na carga tributária sobre o consumo

Mais na Web