Política

Ziza Carvalho desiste da candidatura para conselheiro do TCE-PI

O deputado afirmou que tomou a decisão após conversar com o presidente do PT, Francisco Limma, e o governador Wellington Dias.
10/08/2021 12h35

Nesta terça-feira, 10 de agosto, o deputado estadual Ziza Carvalho (PT) confirmou que retirou a sua candidatura ao cargo de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE-PI). Ziza disputava a preferência do seu partido com Franzé Silva e Flora Izabel, que foi escolhida como a representante do PT no pleito.

“Infelizmente eu não posso insistir em ser candidato de mim mesmo. A bancada se reuniu e achou que o nome que reúne mais chances de apoio dentro do parlamento, tanto da bancada do governo como da oposição, seria o nome da deputada Flora. Então, ontem já conversei com a bancada e com o governador, hoje conversei com a deputada Flora e nós retiramos o meu nome, não há porque brigar numa situação como essa, o entendimento e o diálogo sempre são os melhores caminhos para se construir uma alternativa”, comentou.

  • Foto: Luis Marcos/ViagoraDeputado Ziza CarvalhoDeputado Ziza Carvalho (PT).

Ziza elogiou Flora e declarou que a deputada “preenche todos os requisitos” que o cargo de conselheiro exige. “A deputada Flora preenche todos os requisitos, nunca duvidamos disso, assim como o deputado Franzé também preenche, mas a bancada decidiu pelo nome dele e será muito bem representada. Não somente do partido, mas como alguém que pode cumprir uma missão dentro de um tribunal tão importante”, disse.

O parlamentar afirmou que tomou a decisão de desistir da candidatura após conversar com o presidente estadual do PT, deputado Francisco Limma, a bancada do partido na Assembleia Legislativa e o governador Wellington Dias.

“Quando falei com o governador, já cheguei com a decisão tomada, porque já havia conversado com o presidente do partido, deputado Francisco Limma, e entendido os motivos que levaram a bancada a decidir. Eu estava em Brasília e achei que tivesse havido uma reunião das instâncias partidárias do PT para decidir, o que não houve, foi uma decisão coletiva da própria bancada, inclusive, sem a presença dos eventuais interessados, Flora, Franzé e eu”, declarou.

Questionado se teria acontecido uma imposição da bancada para a retirada da sua candidatura, o deputado negou o conflito e afirmou que a decisão partiu de “bom senso”. “Minha candidatura foi retirada, digamos assim, mas não foi imposição, foi o bom senso que nos leva a seguir orientação da bancada e da própria base do governo, que entende que a Flora reúne as melhores condições de ser eleita nessa votação”, completou.

Ziza citou que um dos motivos que levaram a bancada a optar pelo nome de Flora seria a preferência do presidente da Alepi, deputado Themístocles Filho (MDB).

“As razões foram tempo de casa, convivência com os parlamentares, preferência do presidente da Casa, Themístocles Filho. Eu acredito, inclusive, que a Casa deva caminhar para um entendimento dela ser o nome, talvez, de consenso do parlamento. Eu apoio a Flora e se eu estiver no parlamento no dia da votação, eu votarei nela”, afirmou.

Mais na Web