Viagora

Comissão se reúne para tratar da transição para Nova Evangelina Rosa

A reunião foi realizada nesta quarta-feira (1º) com os representantes da Associação Reabilitar, que vão gerir a administração da maternidade, e do Governo do Piauí.

Nesta quarta-feira (1º), a Comissão de Transição da Nova Maternidade Dona Evangelina Rosa promoveu uma segunda reunião para discutir sobre o plano de trabalho executado pela Associação Reabilitar com o objetivo de definir como será a gestão do local.

Conforme o Governo do Piauí, os gestores discutiram sobre o levantamento do atual quadro pessoal da maternidade, bem como a compra de equipamentos necessários para conclusão da obra e inovações previstas, dentre elas a implantação do Sistema de Prontuário Eletrônico de Pacientes.

Foto: Divulgação/Governo do PiauíReunião realizada entre Associação Reabilitar e Governo do Piauí.
Reunião realizada entre Associação Reabilitar e Governo do Piauí.

Ainda segundo o Governo do Estado, o encontro contou com a presença dos membros da Associação Reabilitar e a direção atual da maternidade, bem como os representantes do Governo do Estado (Secretaria Estadual de Saúde e Vigilância Sanitária Estadual); e de órgãos da sociedade civil, como Conselho Estadual de Saúde e o Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Piauí (Consems-PI), que também fazem parte da Comissão de Transição.

O presidente da Associação Reabilitar, Benjamim Pessoa Vale, explicou que a equipe tem o objetivo de assegurar a redução da mortalidade materna e infantil no Piauí, bem como na melhoria do índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

“A comissão está formada por pessoas com capacidade técnica comprovada e nós, da Associação Reabilitar, trabalhamos com a filosofia de agregar. Aceitamos o desafio de administrar a nova maternidade com o principal objetivo de reduzir a mortalidade materna e infantil no Piauí e, assim, impactar diretamente na melhoria do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da nossa população”, explica.

Além disso, os representantes da Associação Reabilitar também apresentaram o processo dos trabalhos de coleta de dados visando elaboração de diagnóstico para embasar a execução dos atendimentos e dos processos de trabalho dentro da nova maternidade, conforme o Governo do Piauí.

O relatório com informações da gestão da nova maternidade, em relação a quantidade, funções, carga horária e rotinas de trabalho dos colaboradores, deve ficar pronto até o final deste mês.

O superintendente multiprofissional da Associação Reabilitar, Aderson Luz, destacou que os trabalhadores passarão por qualificações para atuar no atendimento e oferta dos serviços prestados.

“Vamos ofertar capacitações para os colaboradores para qualificação da oferta do serviço. A Associação Reabilitar atua na gestão de projetos há 16 anos, obedecendo a todos os critérios da legislação, inclusive trabalhistas, e vamos manter essa postura”, explica.

Conforme a Associação Reabilitar, dentre as medidas que promovem inovação está a implantação do Sistema de Prontuário Eletrônico de Pacientes, com o objetivo de reunir todas as informações de atendimento para que o acompanhamento on-line do cumprimento de metas de produção seja facilitado.

Ainda segundo a instituição, o método já é conhecido e utilizado no Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), gerido pela Associação Reabilitar e referência nacional no atendimento às pessoas com deficiência.

Na oportunidade o atual diretor atual da maternidade, Francisco Macêdo, falou sobre os trabalhos realizados pela Comissão de Transição. “São reuniões importantíssimas, onde as decisões são tomadas em grupo e há um planejamento para que essa transferência aconteça sem nenhum prejuízo para quem precisa dos nossos serviços. Estamos saindo de uma sede obsoleta para uma sede moderna e bem equipada e temos em mente que essa nova maternidade será um marco na melhoria do atendimento materno-infantil do Piauí”, pontua.

Por fim, o Governo do Estado informou que 95% do cronograma já está sendo adotado nas obras da nova maternidade Dona Evangelina Rosa. Serão ofertados 95 leitos de UTI, entre materna e infantil. O investimento total previsto aplicado na construção do prédio foi de R$ 136 milhões e previsão é que a inauguração aconteça em outubro deste ano.

Mais conteúdo sobre:

Teresina

Piauí

Governo do Piauí

Facebook
Indicado para você
Veja também