Viagora

CREA-PI lamenta envolvimento do engenheiro Luciano Gil em vídeo

O CREA-PI publicou uma nota nessa terça-feira (19), repudiando a conduta do engenheiro, que foi flagrado junto com um grupo de brasileiros assediando uma mulher na Rússia.

O engenheiro Luciano Gil Mendes Coelho, natural da cidade de Picos, foi identificado como um dos integrantes do grupo que apareceu em um vídeo assediando uma mulher, gravado durante os jogos da Copa do Mundo 2018 na Rússia. O vídeo viralizou na internet, causando revolta. Após tomar conhecimento do fato, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Piauí (Crea-PI) publicou uma nota lamentando o episódio.

  • Foto: DivulgaçãoBrasileiros assediando mulher na RússiaBrasileiros assediando mulher na Rússia

Luciano Gil aparece junto com alguns homens abordando uma estrangeira, que não fala português, induzindo-a a repetir palavras de cunho sexual e machista. De acordo com o Crea-PI, a cena protagonizada pelo engenheiro e outros brasileiros foi lamentável e vergonhosa, e frisou que a engenharia abrange “a promoção da segurança, da qualidade de vida, da sustentabilidade, da proteção aos valores mais caros da experiência profissional”, e não atos como esses que desrespeitam a mulher ou qualquer pessoa.

Luciano já trabalhou na Secretaria de Estado de Saúde do Piauí, na Secretaria de Educação do Estado do Piauí, e na Construtora Sucesso S.A. Ele também atuou como engenheiro na Prefeitura Municipal de Araripina, em Pernambuco.

O engenheiro responde a um processo administrativo pela prefeitura de Araripina, após prestar serviços de engenharia civil ao município e cometer fraude em licitação. O envolvimento de Luciano no esquema de corrupção acarretou na prisão do engenheiro durante a realização de uma operação deflagrada pela Polícia Federal, para desarticular o esquema de desvio de dinheiro público na prefeitura.

Confira a nota:
O Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) e o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Piauí (Crea-PI) lamentam profundamente que um profissional com registro no Sistema Confea/Crea, tenha participado do infame episódio de misoginia e sexismo realizado por um grupo de brasileiros durante a Copa do Mundo 2018.

O exercício da engenharia abrange a promoção da segurança, da qualidade de vida, da sustentabilidade, da proteção aos valores mais caros da experiência profissional e não o protagonismo de cenas lamentáveis e vergonhosas que desrespeitam a mulher, estrangeiros ou qualquer pessoa.

Desde 2014 o Confea possui um grupo de trabalho Equidade de Gênero e o código de ética das profissões ressalta que a “a profissão é alto título de honra e sua prática exige conduta honesta, digna e cidadã”.

O Confea e o Crea-PI ressaltam que atitudes como as protagonizadas podem caracterizar infração ao código de ética profissional já que o mesmo ressalta que “constitui-se infração ética todo ato cometido pelo profissional que atente contra os princípios éticos, descumpra os deveres do ofício, pratique condutas expressamente vedadas ou lese direitos reconhecidos de outrem”.

Mais conteúdo sobre:

Copa do Mundo 2018

Polícia Federal

Facebook
Indicado para você
Veja também