Política

Robert Rios diz que Setut faz “farra com dinheiro público”

Para o vice-prefeito e secretário de Finanças, as empresas “se acostumaram” a receber dinheiro da Prefeitura de Teresina.
08/02/2021 15h00 - atualizado

Nesta segunda-feira, 8 de fevereiro, os motoristas e cobradores do transporte público coletivo de Teresina deflagraram uma nova greve e paralisaram 100% das operações do serviço. Já é a sexta paralisação da categoria apenas em 2021.

Em entrevista à imprensa, o secretário municipal de Finanças e vice-prefeito de Teresina, Robert Rios (PSB), afirmou que a prefeitura já está a par do problema e que está analisando os contratos firmados pelo município com as empresas de transportes, para viabilizar uma solução para o impasse.

“Tem um problema entre uma empresa privada, que tem um contrato público, com os seus empregados. A empresa participou de uma licitação e tem um compromisso com a cidade de Teresina. Se ela não cumprir esse compromisso, nós vamos estudar o contrato que ela tem. Nesse momento, a nossa procuradoria está cuidando desse contrato e vamos analisar. Esse é um impasse que não envolve a prefeitura, envolve empresas particulares e empregados das empresas”, comentou.

  • Foto: Luís Marcos/ViagoraVice prefeito de Teresina, Robert RiosRobert Rios, secretário de Finanças e vice-prefeito de Teresina.

Para Robert, o problema se originou devido às empresas terem sido “acostumadas” a receber dinheiro da administração municipal.

“Estamos aqui preocupados porque temos que prestar um bom serviço para a população. Porém, é uma questão das empresas com os funcionários. A população tem que se deslocar e as empresas possuem um contrato com a prefeitura. Se esse contrato não for atendido, as empresas serão penalizadas. O Dr. Pessoa tem dito que se não houver uma solução por parte da empresa, ele vai assumir o transporte público municipal. O que não pode é esse problema em que toda semana tem uma paralisação e as empresas privadas querem dinheiro público da prefeitura. As empresas se acostumaram a alcançar dinheiro nos cofres da prefeitura. Esse sangramento, esse costume tem que acabar”, declarou.

O vice-prefeito comentou ainda que a gestão tucana teria feito repasses aos empresários do setor sem fazer uma discussão aprofundada sobre o assunto.

“Quando o prefeito baixou decreto proibindo os ônibus de andarem lotados, as empresas alegaram prejuízos. Elas foram para a Justiça. E o prefeito fez um acordo extrajudicial que repassa milhões para as empresas. O mesmo decreto paralisou bares, comércio e várias atividades. Imagina se todos fossem para a Justiça pedindo dinheiro. Temos que pagar servidores públicos, gerar empregos e praticar várias ações. A gestão passada pegou esse dinheiro e entregou nas mãos dos empresários sem discutir a questão. Acabou a farra com o dinheiro do teresinense”, completou.

Mais na Web