Viagora

Corrida contra o Feminicídio acontece neste domingo em Teresina

A ação se refere a data de sexta-feira (27), Dia Estadual de Combate ao Feminicídio e está pautada na Lei 13.104 de 2015.

Neste domingo (29), a Coordenadoria Estadual de Políticas para as Mulheres (CEPM) realizará às 7h30 com ponto de partida na ponte Estaiada da capital, a corrida de rua contra o Feminicídio. O objetivo do evento é conscientizar acerca do direito à vida da mulher em segurança.

A ação se refere a data de sexta-feira (27), Dia Estadual de Combate ao Feminicídio e está pautada na Lei 13.104 de 2015 de feminicídio que decorre, “violência doméstica e familiar, menosprezo ou discriminação à condição de mulher da vítima”.

Foto: Divulgação/PMTCorrida contra o Feminicídio.
Corrida contra o Feminicídio.

A coordenadora Estadual de Políticas para as Mulheres (CEPM), Zenaide Lustosa, pontua que a data é um marco para a história do Piauí no enfrentamento à violência contra a mulher.

“O dia 27 de maio é um marco na história do Piauí no enfrentamento à violência contra a mulher porque é uma data que procura mostrar à sociedade a importância do combate à violência, além de sensibilizar as mulheres da necessidade de denunciar seus agressores. Assim, a Coordenadoria das Mulheres está realizando a Corrida contra o feminicídio na busca de sensibilizar homens e mulheres para o fim da violência doméstica. Não podemos mais morrer.  É importante que, literalmente, as mulheres corram da violência e possam ter seu direito à vida respeitado”, disse.

A coordenadora de Diversidade da CEPM, Erica Ruth, informa que a atividade irá encerrar o mês dando abertura para a pauta ao combate à LGBTfobia considerando que a categoria mulheres, também, se estende no direito à vida para as mulheres Trans e de toda a diversidade.

“Por muito tempo a estrutura patriarcal não compreendeu as mulheres como seres humanos, mas como coisas a se possuir ou destruir livremente.  Desejamos, na realização de eventos como esse, combater o machismo, assim como frear todas as suas consequências na vida cotidiana. Por isso, trazemos essa Campanha de Enfrentamento ao feminicídio, de modo especial nesse mês de maio contra a LGBTFobia porque o momento também lembra que o direito de ser mulher em segurança se estende às mulheres trans, lésbicas, bissexuais, indígenas, quilombolas e de toda a diversidade. A corrida fecha nossas atividades de maio e introduz o junho das cores, no qual a pauta da diversidade feminina será novamente destacada, na proteção de suas vidas e direitos”, ressalta Erica.

Segundo os dados do Aplicativo Salve Maria, somente nesses primeiros cinco meses de 2022, a quantidade de denúncias sobre violências físicas para com as mulheres passou de 79%. Ao encontro desse dado, conforme o Painel Mulheres Monitoramento da Violência contra a Mulher no Piauí, também nos cinco primeiros meses tramitam cerca de 12.348 medidas protetivas.

Por Isadora Cavalcante

Facebook
Indicado para você
Veja também