Viagora

"Rafael Fonteles tem o meu apoio", diz apresentador Silas Freire

De acordo com o comunicador, o secretário de Fazenda do Estado é um grande nome que geriu o Piauí em um momento de crise.

Na manhã desta quarta-feira (16), o apresentador de TV, Silas Freire, declarou seu apoio político ao pré-candidato ao Governo do Piauí, Rafael Fonteles (PT) durante solenidade de filiação ao Solidariedade.

De acordo com o comunicador, o secretário de Fazenda do Estado é um grande nome que geriu o Piauí em um momento de crise. Silas Freire acredita que o Estado precisa de gestores e ousadia o que está representado na figura de Rafael Fonteles.

Foto: Luis Marcos/ ViagoraSilas Freire
Silas Freire

“Acho que é um grande nome, apoio sim o Rafael Fonteles, nós estamos com três anos de pandemia e imagine só vocês se a gente não tivesse um técnico com uma capacidade intelectual que ele tem, se nós não estávamos com o estado com maior dificuldade, com salários atrasados, com dificuldade para o servidor público que a grande máquina do estado, nossa indústria ainda não pulsa bem, então o ponto mais forte do Rafael é esse, ele é gestor e o Piauí nesse momento de crise precisa de gestão, por isso Rafael Fonteles tem o meu apoio. O Piauí precisa de gestão, o estado não tem necessidade de feijão com arroz, os outros que estão se propondo são aqueles feijões com arroz, o Piauí precisa de gestão e ser ousado e nós encontramos isso no Rafael Fonteles”, disse Freire.

O apresentador ressaltou que Dr. Pessoa apesar de ser aliado com o Solidariedade, é uma união municipal, e destacou que não cometerá a mesma atitude de se aliar ao prefeito da capital.

“O Dr. Pessoa é um aliado municipal, você tem direito de ser doido só uma vez e eu já fui duas, votei nele para governador e prefeito, você não quer que eu seja louco uma terceira vez”, pontuou.

Silas Freire fez uma análise das disputas eleitorais ao Governo no Piauí neste ano e destacou que existem dois grupos políticos, o que pretende colocar comida no prato do povo e o negacionista que não deseja mudanças para o país.

“Eu acho que é um time que quer o prato na comida do povo contra o time do Bolsonaro que quer o país do jeito que está, botijão de gás a 120 reais, povo passando fome e desempregado. Não tem o que se discutir, um lado representa o Bolsonaro que é o negacionismo, 600 mil mortes no país, a fome, a desigualdade, o outro apesar dos seus pesares representa comida no prato do povo e eu vou preferir ficar desse lado”, avaliou o comunicador.

Para o apresentador o partido a qual se filiou representa uma oportunidade de mais pessoas ingressarem na vida política, além disso a valorização da proporcionalidade foi uma das propostas que definiu sua escolha partidária.

“O Solidariedade está valorizando a questão da proporcionalidade, daqui a pouco se nós ficarmos mexendo no modelo eleitoral só vai para o parlamento quem tiver muito dinheiro ou poder político. Fora o Solidariedade já estão escolhidos os deputados federais que serão eleitos, é o fulado que é rico, o filho de cicrano, e o Solidariedade traz essa ideia de valorizar a proporcionalidade se não a pessoa humilde não pode chegar no parlamento. Esta proposta de valorização da proporcionalidade me atraiu”, explicou Freire.

O pré-candidato ao deputado federal pontuou ainda que deseja continuar sua luta contra a fome a injustiça no estado. Outra pauta destacada é o auxílio no sistema de segurança do Piauí.

“Continuar minha luta, principalmente contra a fome e a injustiça e tentar ajuda no sistema de segurança, não com repressão, mas com prevenção. Nós estamos perdendo a guerra para o crime, se algum incompetente deixou as fações entrarem no Piauí isso é verídico e notório, mas nós precisamos lutar para que nossos jovens não se entreguem as essas fações e isso a gente faz com música, com bola, com escola e isso que eu quero fazer”, finalizou.

Facebook
Indicado para você
Veja também