Viagora

Mais de 120 mil beneficiários já renegociaram dívidas no Fies

Segundo o FNDE, cerca de 10% dos estudantes com parcelas atrasadas resolveram suas pendências, com isso, aproximadamente, R$105 milhões em valores atrasados foram pagos aos agentes financeiros do Fies

Nessa quinta-feira (07), 127 mil alunos que estavam inadimplentes no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) já renegociaram seus débitos desde que o Governo Federal abriu para renegociação no dia 07 de março, os dados foram divulgados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento (FNDE).

Segundo o FNDE, cerca de 10% dos estudantes com parcelas atrasadas resolveram suas pendências, com isso, aproximadamente, R$105 milhões em valores atrasados foram pagos aos agentes financeiros do Fies (Caixa e Banco do Brasil) nos primeiros dias de renegociação. Os dados estão atualizados até o dia 30 de março.

De acordo com o FNDE, o prazo para a renegociação termina em 31 de agosto. Podem participar da renegociação beneficiários com contratos do Fies firmados até o final de 2017, que estejam na fase de amortização e que estivessem com mais de 90 dias no atraso no pagamento das parcelas a contar da publicação da medida, em 30 de dezembro de 2021.

Quais os percentuais de descontos?

- Para estudantes com mais de 360 dias de atraso no pagamento, o desconto é de 92% para os inscritos no CadÚnico ou que tenham sido beneficiados pelo auxílio emergencial em 2021

- Para os demais o desconto é de 86,5% no valor consolidado da dívida para pagamento integral do saldo devedor.

Para contratos com atraso entre 90 e 360 dias:

- Pagamento à vista: A medida prevê um desconto de 12%, com isenção de juros e multas

- Parcelamentos: Podem parcelar em até 150 parcelas mensais e sucessivas., com redução de 100% de juros.

Como renegociar?

° O processo de renegociação é realizado de forma digital. No site da Caixa ou pelo App Do BB, clicando em “soluções de dívidas”. Após o pagamento do valor da entrada, os beneficiários e seus fiadores são retirados dos cadastros restritivos de crédito.

Por Anna Paula Couto

Com informações da Agência Brasil.

Facebook
Indicado para você
Veja também