Polícia

Advogado diz que mais 2 vítimas afirmam ter sido abusadas por Marcos Vitor

Segundo o advogado de defesa da família, Rodrigo Araújo, a irmã de três anos e uma adolescente de 15 anos foram ouvidas na DPCA nessa segunda-feira (27).
28/09/2021 11h03 - atualizado

Nesta terça-feira (28), o advogado de defesa Rodrigo Araújo disse ao Viagora que outras duas vítimas revelaram à Polícia Civil que foram abusadas sexualmente pelo estudante de medicina Marcos Vitor Aguiar Dantas Pereira, de 22 anos, que já está sendo investigado, suspeito de estupro contra a irmã e a prima.

O advogado de defesa da família, Rodrigo Araújo afirmou que duas novas vítimas, a irmã mais nova de Marcos Vitor de apenas três anos e uma adolescente de 15 anos foram ouvidas na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) e confirmaram os abusos.

  • Foto: Divulgação/InstagramMarcos Vitor Aguiar Dantas Pereira.Marcos Vitor Aguiar Dantas Pereira.

“Ontem duas crianças foram ouvidas e as duas relataram fatos relacionadas a estupro de vulnerável, em que foram vítimas. Uma tem 15 anos, que é uma prima das meninas da mesma família. E a outra é a irmã dele de três anos, confirmou perante a delegacia que ele à molestou”, disse.

Segundo o advogado, durante a declaração da menina de três anos ela apontou para suas partes íntimas contando o que tinha acontecido e tudo foi gravado.

“Ela apontou para os locais, para as partes intimas. Eu não pude participar, eu como advogado não entro, só fica realmente a criança com a psicóloga e a assistente social. Mas a gente vai ter acesso ao vídeo, mas já me foi confirmado que ela confirmou muitos fatos. De forma lúdica, falando nome de partes do corpo e dizendo quem mexeu”, explicou o advogado.

Estudante entra com processo contra mãe de uma das vítimas

O advogado Rodrigo Araújo revelou à reportagem que Marcos Vitor entrou com um processo contra Priscila Karine Coelho, mãe de uma das vítimas, pedindo que ela apagasse todas as publicações das redes sociais que envolvam o nome do estudante pediu ainda uma indenização no valor de R$ 20 mil.

  • Foto: Luís Marcos/ ViagoraRodrigoAdvogado Rodrigo Araújo

“Outro fato que a gente tomou conhecimento foi de que o Marcos Vitor processou a senhora Priscilla, pedindo que ela parasse de falar o nome dele, que apagasse todos os posts que fez em nome dele e pedindo indenização no valor de 20 mil reais”, disse.

De acordo com o advogado, esse processo foi indeferido pelo juiz, que não deu o pedido de liminar ao estudante.

“Ele pediu uma liminar para que ela (Priscila) apagasse tudo e parasse agora de falar no nome dele, não era para falar de forma alguma, só que o juiz indeferiu esse pedido. Não deu o pedido de liminar para ele”, afirmou.

Questionado sobre os próximos passos que a defesa vai seguir, Rodrigo Araújo disse que ainda está na fase de inquérito, colhendo elementos informativos para que a delegada Camila Miranda, que está à frente do caso na DPCA, possa fazer um relatório que será enviado ao Ministério Público e assim fazer a denúncia.

“Estamos em uma fase muito delicada que é a fase de inquérito. Então aqui a gente colhe elementos informativos para que a delegada Camilla da DPCA, que está tratando do caso, fazer um relatório que vai ser enviado para o Ministério Público e ele (Marcos Vitor) vai ser denunciado fatidicamente”, explicou.

Rodrigo ressaltou ainda que existe um empecilho durante esse processo de defesa, devido que a filha de Priscila, de 12 anos, a primeira vítima a realizar a notícia crime, ainda não foi ouvida na delegacia por conta de uma proibição realizada pelo Ministério Público por causa da situação de revitimização.

“Nós estamos com um pequeno empecilho, que é oitiva da filha da Priscila, que tem 12 anos, que é quem foi prestar a notícia crime primeiramente na delegacia. Ela não pode ser ouvida na delegacia por conta de uma proibição realizada pelo Ministério Público, porque tem aquela situação de revitimização. Ela tem que ser ouvida uma única vez perante a justiça”, ressaltou.

Ainda de acordo com o advogado, existe a suspeita de que o último caso de abuso, cometido por Marcos Vitor, teria sido em janeiro deste ano, quando ele estava em Teresina.

Rodrigo explica que a defesa segue colhendo elementos no sentido de conseguir a prisão do estudante o quanto antes.  

“O último fato aconteceu em janeiro desse ano. A gente está nesse momento movimento isso, para aumentar o número de vítimas, incluir outros processos, outros indiciamentos com relação a outras vítimas para que a gente tenha elementos e ele seja preso, porque ele é uma pessoa que tem dinheiro, tem posses, tem visto nos estados unidos. Então assim, estamos com medo dele fugir”, disse.

Outro lado

A reportagem tentou contato com o suspeito para falar sobre o assunto, mas até o fechamento da matéria ele não foi localizado.

Mais na Web