Piauí

"Empresas não têm condições de operar", diz Jeová Alencar sobre ônibus

O vereador afirma que continua defendendo o rompimento do contrato e a realização de uma nova licitação para resolver o problema do transporte em Teresina.
  • LETÍCIA DUTRA
25/10/2021 06h25

O presidente da Câmara Municipal de Teresina, vereador Jeová Alencar (MDB), disse que continua defendendo o rompimento do contrato e a realização de uma nova licitação para resolver o problema do transporte público da capital piauiense.

Na última sexta-feira (22), os motoristas e cobradores de ônibus voltaram a paralisar as atividades, reivindicando o pagamento da convenção coletiva, por prte dos empresários.

  • Foto: Luis Marcos/ ViagoraVereador Jeová AlencarVereador Jeová Alencar

Segundo o vereador, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Transporte Público optou pelo rompimento do contrato antigo entre a prefeitura e as empresas de ônibus por conta de irregularidades, mas que ainda houve negociações com as empresas para o retorno do sistema de transporte coletivo.

“A CPI mostrou a realidade nua e crua desse transporte público, não só a realidade que o cidadão vê no dia a dia, mas de algumas irregularidades que havia nesse contrato antigo entre a prefeitura e as atuais empresas. O nosso relatório optou pelo rompimento do contrato e eu ainda continuo com essa convicção, mas houve algumas negociações para que pudesse entrar em um acordo e o sistema voltar", disse.

Jeová explica que a greve dos tranbalhadors do transporte público é justa e que infelizmente, os usuários acabam sendo prejudicados. "Os ônibus começaram a rodar, mas infelizmente fomos surpreendidos com essa greve justa dos motoristas e cobradores e que infelizmente o usuário é quem paga esse dissabor”, explicou.

Para o vereador, o contrato atual não deve ser mantido, pois a maioria das empresas atuantes do transporte coletivo da capital  não tem condições para continuar funcionando e fazendo o pagamento correto dos motoristas e cobradores.

“Eu continuo com a minha convicção que a maioria das empresas que estão atuando não têm condições de operar. O prefeito tem se esforçado muito para que esse sistema funcione, mas algumas empresas não têm mais poder de vigimento, não tem mais como funcionar. Infelizmente essa é a realidade. Elas vão receber dinheiro e não vão botar os ônibus para funcionar porque elas não têm mais ônibus, algumas delas nem têm nem mais garagem”, disse.

O presidente da Câmara pontua ainda que o problema já se arrasta à 30 anos, mas que acredita que o problema seja resolvido com o esforço do prefeito Dr. Pessoa.

“Não é fácil. Às vezes a gente acha que é chegar e tirar, claro que não. Seria necessária uma transição, porque não tem uma varinha mágica para concertar um sistema que vem a 30 anos se arrastando e infelizmente está explodindo nesse momento, mas acredito que com o esforço do prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, e com o esforço do superintendente da Strans e a colaboração da câmera a gente pode resolver esse problema”, pontuou.

Mais na Web