Piauí

Famílias que resistem a sair de áreas de risco são monitoradas

De acordo com a SDU Centro/Norte, algumas famílias foram transferidas para o “Programa Família Solidária”, mas ainda há resistência de algumas delas.
24/03/2020 18h30 - atualizado

A gerência de Habitação (GHAB) da Superintendência de Desenvolvimento Urbano (SDU) Centro/Norte de Teresina está monitorando algumas famílias em áreas ribeirinhas consideradas de risco que resistem em deixar as casas.

De acordo com a SDU Centro/Norte, algumas famílias foram transferidas para o “Programa Família Solidária”, mas ainda há uma resistência de algumas dessas famílias que estão em áreas de risco para deixar as casas onde moram.

Segundo a superintendência, estão sendo monitoradas famílias nos bairros Poti Velho, Água Mineral, Ferroviária, Mocambinho III, Monte Alegre, Leonel Brizola, Dilma Roussseff, Parque Alvorada, São Joaquim, Vila Apolônia, Mafrense e Nova Brasília.

  • Foto: Divulgação/ Prefeitura de TeresinaSDU monitora famílias que resistem a sair de áreas de riscoSDU monitora famílias que resistem a sair de áreas de risco

Conforme a gerente de Habitação, Valmira Rodrigues, é importante que essas famílias aceitem sair das áreas consideradas de risco. “Estamos preocupados com a segurança dessas pessoas, por isso conversamos com algumas lideranças comunitárias para que nos ajudem nesse trabalho de convencimento das famílias” disse a gerente.

Já o superintendente executivo da SDU Centro/Norte, Márcio Sampaio, relata que a Prefeitura de Teresina colocou cinco caminhões à disposição para prestar toda a assistência e fazer a transferência dos moradores. “Estamos fazendo o monitoramento e nos colocando à disposição para fazer as mudanças, mas precisamos contar com a boa vontade das famílias”, disse.

Segundo o superintendente, o monitoramento dos rios está sendo feito e já se constatou um recuo no nível das águas, mas mesmo assim é preciso ficar atento. “Nossas equipes estão todos os dias em campo, fazendo vistorias e ajudando, da melhor forma possível, as famílias que estão em pontos de atenção”, afirma.

Mais na Web