Piauí

Seduc debate retorno das aulas durante audiência pública na Alepi

Na oportunidade, foi debatido o andamento das aulas não presenciais e secretário explanou como se deu esse processo na rede estadual.
13/08/2020 15h49 - atualizado

Através de audiência pública virtual realizada pela Assembleia Legislativa do Piauí, nesta quinta-feira (13), o secretário de Estado da Educação, Ellen Gera, discutiu as ações da educação estadual neste novo contexto social.

Na oportunidade, foi debatido o andamento das aulas não presenciais e secretário explanou como se deu esse processo na rede estadual.

  • Foto: Divulgação/Governo do PiauíSecretário Ellen GeraSecretário Ellen Gera

“A Seduc se organizou de forma rápida para realizar as aulas de maneira não presencial no estado. Hoje temos condições de permanecer no modelo remoto até que tenhamos total segurança de voltar ao chão da escola. Ampliamos o trabalho de busca ativa e estamos fazendo um mapeamento, tudo isso  para que nenhum estudante fique para trás”, disse o gestor.

Sobre o modelo híbrido, Ellen Gera explicou: “Temos debatido o modelo de educação híbrida, elaborando protocolos, porém ressalto que não estamos buscando de forma desesperada um retorno presencial de fato. Além dos alunos, temos também o cuidado de prezar pelos servidores que são do grupo de risco. É momento de prudência para tomar as medidas corretas”, afirmou o secretário.

A audiência pública foi proposta pelo deputado estadual João de Deus, com o  objetivo de debater sobre o futuro da educação no Piauí e uma possível retomada de forma segura. 

Participaram da audiência pública representantes de todos os setores ligados à educação: Conselho Estadual de Educação, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime-PI), Sindicato dos Trabalhadores da Educação do Estado do Piauí (Sinte), Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina (Sindserm), Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado do Piauí (Sinepe-PI) e Sindicato dos Professores e Auxiliares da Administração Escolar do Estado do Piaui (Sinpro-PI), além do  Ministério Público do Piauí e a Associação Piauiense de Municípios (APPM).

Mais na Web