Geral

Timon terá força-tarefa para fiscalizar e inibir festas clandestinas

De acordo com a medida, as festividades do tradicional Zé Pereira, ou qualquer outro evento festivo que provoque aglomerações estão cancelados.
28/01/2021 18h10

A Prefeitura de Timon discutiu, na manhã desta quinta-feira (28), com o Ministério Público Estadual, Polícias Civil e Militar, Guarda Civil Municipal, Vigilância Sanitária e Corpo de Bombeiros, a elaboração de uma Força-Tarefa para garantir o cumprimento do decreto municipal que proíbe prévias e festas de Carnaval.

De acordo com o decreto municipal, que já está em vigor, as festividades do tradicional Zé Pereira, matinês, bailes e ou qualquer outro evento festivo que provoque aglomerações e contribuam para o aumento dos casos de Covid-19 no município, estão canceladas. O objetivo da Força-Tarefa é inibir, principalmente, que festas clandestinas ocorram na cidade.

Segundo a Prefeitura de Timon, haverá uma reunião, nesta sexta-feira (29), com a Polícia Militar e Civil para definir a logística da operação. Onde inicialmente serão mapeados pontos que insistem em festas clandestinas e a fiscalização vai ser reforçada nestes locais.

Durante a discussão que ocorreu através de videoconferência, o secretário municipal de Governo, João Batista, defendeu que é preciso uma fiscalização enérgica e disse que o município está preparado para agir e somar forças com órgãos fiscalizadores para impedir o descumprimento do decreto.

“Sempre tivemos a preocupação de fazer planejamento com antecedência. O município está sempre atento e vigilante. Nos antecipamos na emissão desse decreto para que a classe que depende do Carnaval não se sentisse avisada em cima da hora”, disse o secretário.

O secretário municipal de Saúde, Jefferson Veras, explicou que Timon vivencia atualmente uma situação relativamente controlada no ponto de vista da pandemia do coronavírus e que isso é reflexo das medidas que são tomadas de forma preventiva.

O promotor Antônio Borges Nunes Junior conduziu a reunião e parabenizou o poder público municipal por agir antes que haja uma segunda onda da doença. "Nosso balizamento normativo é bem claro e preciso em proibir essas festas nesse atual momento de pandemia", declarou.

A presidente da Fundação Municipal de Cultura, Leylliane Monteiro, fez um apelo para que a população cumpra o decreto. "Sei que estamos fazendo o melhor porque o momento é para cuidar da saúde dos nossos timonenses", disse.

Mais na Web