Piauí

Usuários reclamam da demora no transporte coletivo em Teresina

Após uma semana do retorno do transporte coletivo em Teresina, os usuários reclamam da demora nas paradas e do baixo número de veículos rodando nas ruas.
15/07/2020 12h46 - atualizado

Nesta quarta-feira, 15 de julho, completa-se uma semana do retorno do transporte coletivo em Teresina, após mais de 50 dias de greve dos trabalhadores da categoria. Uma decisão da Justiça do Trabalho determinou que 70% da frota de ônibus retornasse às ruas da capital nos horários de pico e 30% nos demais horários.

O Viagora conversou com usuários do transporte coletivo, que demonstraram insatisfação com o retorno do serviço. Os relatos contam que o número de veículos rodando nas ruas é insuficiente para atender a demanda.

  • Foto: Luis Marcos/ ViagoraParada de ÔnibusUsuários do transporte coletivo reclamam do alto tempo de espera.

Jorge Rodrigues, morador do bairro Dirceu Arcoverde, afirmou que chega a esperar mais de uma hora por um ônibus na Praça da Bandeira, região do Centro da capital, onde circulam mais de 90% das linhas de ônibus de Teresina.

“Os ônibus estão parados. Já estou com uma hora aqui esperando um. Antigamente o tempo de espera era de meia hora. Eu moro no Dirceu, onde passam várias linhas, imagine quem mora mais longe”, comentou.

A situação é semelhante para quem deseja se deslocar de Timon, cidade maranhense que faz fronteira com Teresina. Amparo Santos declarou que apenas um único veículo está realizando a rota para o seu bairro.

“Eu moro no bairro Novo Tempo, em Timon, e só tem um ônibus. Só está tendo um ônibus para cada bairro e a gente demora muito tempo esperando. Está muito difícil, porque é perigoso a gente ficar esperando nas paradas, tem pouca gente nas ruas. Os horários não estão como deveriam estar”, afirmou.

  • Foto: Luis Marcos/ ViagoraParada de ÔnibusApesar do retorno, os usuários afirmam que há poucos ônibus rodando nos bairros.

Na opinião da trabalhadora, não está sendo cumprida a frota de 70% nos horários de pico. “Se estivesse rodando 70%, não demorava tanto. Estou aqui há mais de meia hora. Quando estava normal, a gente esperava 15, 20 minutos, e agora a gente chega a ficar duas horas esperando por um ônibus. Ficamos correndo risco nas paradas. Estou trabalhando apenas uma vez na semana, e sempre chego em casa muito tarde por conta da demora dos ônibus”, disse.

A reportagem procurou o Setut para falar sobre o assunto. Através da assessoria foi emitida uma nota:

As operadoras cumprem o que é determinado pela Strans, desde o quadro de horário determinado até o itinerário que deve ser seguido.

Mais conteúdo sobre:

Mais na Web