Geral

Wellington apresenta proposta de redução de CO2 no Nordeste aos EUA

O presidente do Consórcio Nordeste apresentou a proposta dos nove estados da região, que se baseia no combate ao desmatamento, educação ambiental e reflorestamento.
31/07/2021 14h50 - atualizado

Nessa sexta-feira (30), o governador do Piauí, Wellington Dias participou de uma reunião virtual com governadores de diversos estados brasileiros e o enviado especial para o clima dos Estados Unidos, John Kerry.

Na ocasião, foi apresentada a contribuição dos governos estaduais brasileiros para reduzir a emissão de CO2 na atmosfera e demais danos que impactam nas mudanças climáticas.

  • Foto: Roberta Aline/SecomGovernador Wellington Dias.Governador Wellington Dias.

O presidente do Consórcio Nordeste, Wellington Dias apresentou a proposta dos nove estados da região, que se baseia no combate ao desmatamento, educação ambiental e reflorestamento.

O governador explica que o projeto prevê a estruturação de cinco unidades de conservação em cada estado, totalizando 45 áreas protegidas e as famílias inseridas nesses perímetros também participarão ativamente das ações.

“No Nordeste a nossa meta no projeto apresentado é coleta de sementes de plantas nativas por famílias que vivem em áreas de preservação, para plantação de 45 milhões de árvores. Assim teremos condições de ampliar a captura de CO2”, explicou Dias.

  • Foto: Roberta Aline/SecomReunião entre governadores do Brasil e Estados Unidos.Reunião entre governadores do Brasil e Estados Unidos.

De acordo com o cálculo de especialistas, o reflorestamento proposto possibilita a captura anual de 285 mil toneladas de CO2 da atmosfera.

Conforme a carteira de projetos apresentada pelas cinco regiões do Brasil, o investimento requer cerca de US$ 300 milhões. O recurso deve ser viabilizado em articulação com o governo americano e outros órgãos internacionais.

Segundo o Consórcio Nordeste, o projeto denominado de Ativos Verdes do Brasil, prevê a recuperação de florestas em todos os biomas, entre eles Cerrado, Caatinga, Mata Atlântica e a Floresta Amazônica. As propostas foram bem recebidas pelo governo americano, que indicou um representante para dialogar com os secretários estaduais de meio-ambiente e formatar os projetos a serem implementados.

A secretária de Estado do Meio-Ambiente, Sádia Castro avalia que outras propostas serão agregadas, o que passará para os Estados Unidos uma ideia de união entre os estados.

 “Vamos agregar estas propostas em outras maiores, passando para os Estados Unidos a ideia de união, articulação com os estados. Temos um fórum de secretários de meio-ambiente e desde o início a equipe de John Kerry está recebendo bem o que apresentamos”, disse a secretária.

Mais na Web