Viagora

Motoristas e cobradores realizam nova paralisação em Teresina

Segundo a categoria, o pagamento da convenção coletiva está atrasado desde 2019 e garante direitos como auxílio ticket-alimentação e plano de saúde para os profissionais.

  • Luis Marcos/ Viagora Paralisação do transporte público 1 / 9 Paralisação do transporte público
  • Luis Marcos/ Viagora Antônio Cardoso, motorista do transporte público 2 / 9 Antônio Cardoso, motorista do transporte público
  • Luis Marcos/ Viagora Paralisação do transporte público 3 / 9 Paralisação do transporte público
  • Luis Marcos/ Viagora Francisca Alves, Aposentada 4 / 9 Francisca Alves, Aposentada
  • Luis Marcos/ Viagora Usuários são obrigados a descer dos ônibus 5 / 9 Usuários são obrigados a descer dos ônibus
  • Luis Marcos/ Viagora Ajuri Dias, presidente do Sintetro 6 / 9 Ajuri Dias, presidente do Sintetro
  • Luis Marcos/ Viagora Usuários são obrigado a descer do ônibus 7 / 9 Usuários são obrigado a descer do ônibus
  • Luis Marcos/ Viagora Paralisação do transporte público 8 / 9 Paralisação do transporte público
  • Luis Marcos/ Viagora Paralisação do transporte público 9 / 9 Paralisação do transporte público

Nesta sexta-feira (22), motoristas e cobradores do transporte coletivo de Teresina realizaram uma nova paralisação no Centro da capital.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários do Piauí (Sintetro) a paralisação tem como motivo principal o pagamento da convenção coletiva.

De acordo com o Sintetro, o pagamento da convenção coletiva está atrasado desde 2019 e garante direitos como auxílio ticket-alimentação e plano de saúde para categoria.

A dona de casa, Francisca Alves, relata que sai bem cedo de casa para trabalhar na zona Sul de Teresina, porém com a paralisação do transporte público não consegue chegar em seu posto de trabalho.

“Nós temos as nossas obrigações para fazer todo dia e a gente fica ‘empaiada’ (sic) em um lugar desses sem saber o que fazer. A Prefeitura de Teresina já poderia ter resolvido esse problema, mas ainda não resolveram por que não quiseram”, relatou.

O motorista Antônio Cardoso alega que a paralisação é mais uma forma de chamar a atenção das autoridades para a crise em que vem passando o transporte público de Teresina.

“Estamos trabalhando por hora e por dia, e esse dinheiro que foi repassado da prefeitura para os empresários no valor de R$ 4,5 milhões tinha como objetivo pagar os salários atrasados, mas na realidade foi para pagar o ticket alimentação e o plano de saúde, nosso salário ficou para ser parcelado”, declarou.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários do Piauí (Sintetro), Ajuri Dias, disse que a principal causa da manifestação era sobre a relação trabalhista entre patrão e empregado, e fez duras críticas sobre a atual situação.

“Nosso debate hoje é sobre as necessidades que o motoristas e cobradores estão passando. Alguns dos empresários que receberam esse dinheiro eles estão repassando de forma indevida para os trabalhadores e não pagando da forma correta. Tem empresa que ainda nem pagou os trabalhadores”, explicou o representante da categoria.

Ajuri disse ainda que a paralisação tem como duração o tempo máximo de duas horas, encerrando-se às 10h, e após esse horário vai acontecer o funcionamento normal do transporte público da capital.

Facebook
Indicado para você
Veja também