Viagora

Trabalhamos para fortalecer o policiamento preventivo, diz Scheiwann

O comandante também falou sobre o trabalho da Polícia Militar no primeiro semestre deste ano no Piauí.

Na manhã desta terça-feira (02), o Comandante da Polícia Militar do Piauí (PMPI), Coronel Scheiwann Lopes, falou ao Viagora sobre a criminalidade na capital e sobre o trabalho que a PM está exercendo no Piauí.

Em entrevista, o comandante explicou como ele avalia o trabalho da PM no primeiro semestre deste ano. Para ele, a avaliação é positiva. “A avaliação que a gente faz é que o trabalho é positivo. Nós em todos os setores tivemos avanço em média de mais de 30% na produtividade da Polícia Militar nas suas diversas atuações, quer seja na recuperação de veículos, na prisão de pessoas sendo cumprimento de mandado ou flagrante, na apreensão de armas, na apreensão de drogas, na elaboração de termos circunstanciais de ocorrência”, explica.

Foto: Matheus Santos/ ViagoraScheiwann Lopes, comandante da Polícia Militar do Piauí
Scheiwann Lopes, comandante da Polícia Militar do Piauí

Segundo o coronel, a polícia está trabalhando na busca do policiamento preventivo, pois com um policiamento mais ostensivo, a criminalidade é reduzida. “Também estamos trabalhando na busca incansável no fortalecimento do policiamento preventivo, que é o policiamento ostensivo, na qual, a polícia fica mais presente nas ruas, mais próximo do cidadão e reduzindo a criminalidade. Nós tivemos em média uma redução de 10% no número de atendimento de ocorrência, e isso se dá com a questão da presença da polícia nas ruas. Nós reduzimos o número de ocorrências com a presença da polícia e aumentamos a produtividade”, completa.

Sobre o aumento de casos de homicídios, Scheiwann explica que no mês de abril até meados de maio o número de casos realmente estava em crescente, mas já para o final de maio em diante, os números começaram a cair. “Em abril até meados de maio, estávamos com uma elevação no número de homicídios, mas de pronto, no final de maio, junho e julho já teve essa curva decrescente, sobretudo na atuação do litoral. Mesmo assim, a maioria dos homicídios que ocorreram nesse período, se você buscar os registros, essas mortes em sua maioria, quase 95%, as pessoas envolvidas, são pessoas com passagem pela polícia ou são originadas do sub mundo do crime, facções, drogas, tráfico. Dificilmente você vai encontrar uma questão de um latrocínio, que é um roubo seguido de morte, praticado contra um cidadão”, ressalta.

Ele ainda explica como há casos, que a Polícia Militar dificilmente conseguirá evitar certos crimes. “Tivemos casos complexos de violência domésticas que culminaram em mortes, tivemos problemas com brigas internas familiares, casos pontuais, recentemente tivemos veiculados na imprensa. São crimes que a Polícia dificilmente tem condições de evitar com mais presença, pois são casos pontuais, e não originadas da falta da polícia na rua”, informa.

Questionado sobre como anda o planejamento para o policiamento nesse período eleitoral, o coronel explica que apesar de ser um período complexo, a Polícia Militar já se preparou. “Esse período eleitoral é um período complexo, pois temos alguns impeditivos legais. Temos uma eleição nacional, a nível de presidente, governadores, deputados, senadores, mas a PM já se preparou, iremos apresentar nosso plano de distribuição de efetivo antecipadamente, e nisso iremos garantir nossa tropa o direito de voto, e antecipadamente informaremos ao TRE o deslocamento desses efetivos para o interior. Todos os calendários previstos para esse segundo semestre, a PM já fez seu planejamento estratégico, seu planejamento operacional, e iremos cumprir nossa missão com êxito”, encerra.

Facebook
Indicado para você
Veja também