Viagora

Programa para o tratamento da dor crônica é mantido no Lineu Araújo

O Centro Integrado de Saúde Lineu Araújo mantém um programa específico para pessoas com esse tipo de problema, a Clínica da Dor.

A dor é considerada hoje pela Organização Mundial de Saúde um dos cinco sinais de vida de uma pessoa, e um problema crônico que pode gerar impactos de saúde, psicológicos e econômicos. O Centro Integrado de Saúde Lineu Araújo mantém um programa específico para pessoas com esse tipo de problema, a Clínica da Dor.

Segundo a OMS, este é o primeiro centro público de referência em dor de Teresina, e conta com um neurologista com especialização na área de dor, que realiza não apenas consultas, como também pequenos procedimentos como administração de medicamentos e aplicação de toxina botulínica (botox).

De acordo com dados do Lineu Araújo, somente no ano de 2023 foram realizados 249 atendimentos especializados, além de 72 neurotomias, que é um tratamento específico para dores.

O intuito do tratamento é melhorar os sintomas e a doença que causa a dor, evitar complicações, trazer uma melhoria na qualidade de vida e reinserir o paciente no seu trabalho e vida social, diminuindo os impactos físicos e sociais, mentais e financeiros que a doença traz.

“A consulta mais comum da neurologia é a chamada dor de cabeça, principalmente a enxaqueca, que é a causa mais incapacitante. Além disso, atendemos muitos casos de dor lombar, comum em quem faz trabalho pesado e também em quem trabalha por muitas horas sentado e não faz exercícios de alongamento. Outros casos que recebemos regularmente são dor cervical, fibromialgia, dor neuropática (especialmente diabética), neuroartrose, pacientes com dor secundária a AVC ou lesão medular, entre outros”, explica o neurologista João Segundo, que atua no programa.

Para ter acesso à Clínica da Dor, o paciente deve ser encaminhado pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS) – após atendimento inicial pelo médico da família, que vai avaliar se a dor é crônica e precisa do tratamento especializado – por ortopedistas ou neurologistas gerais que sentem a necessidade de acompanhamento específico após consulta, ou pelos centros de reabilitação para uma orientação no tratamento de pessoas com deficiência.

Conforme dados da OMS, a dor é um problema que atinge atualmente 42% da população mundial, com incidência de mais de 51% em idosos. Nos Estados Unidos se gasta em torno de 620 bilhões de dólares em dor anualmente, mais do que o somatório de oncologia, doenças cardiovasculares e diabetes.

“A dor deixou de ser tratada como um sintoma e passou a ser considerada uma doença que envolve diversos aspectos”, explica o neurologista. “10% a 14% das pessoas com dor crônica têm dor neuropática, que advém dos nervos ou do sistema nervoso central. Ela é de difícil controle e muitas vezes relacionada a uma polineuropatia diabética, ou uma hérnia de disco que comprime um nervo”, exemplifica ele, citando ainda outras síndromes dolorosas que envolvem sistema osteomuscular, articular ou mesmo dor oncológica.

Facebook
Indicado para você
Veja também