Piauí

Juíza condena Evanilson Monteiro a 14 anos de prisão em Parnaíba

O réu foi denunciado pelo Ministério Público por homicídio qualificado por ter atingido sua ex-companheira com um golpes de arma branca. O fato aconteceu em julho de 2017 em Parnaíba.
26/06/2018 17h48 - atualizado

A juíza Maria Vasconcelos, da 1ª Vara Criminal da Comarca de Parnaíba, condenou Evanilson Nascimento Monteiro a 14 anos de prisão, inicialmente em regime fehado, por tentar matar sua então companheira Érica Maria Araújo Sousa. A sentença foi profereida nesta terça-feira (26).

Evanilson foi denunciado pelo Ministério Público do Piauí por homicídio qualificado na forma tentada, por ter atingido sua ex-companheira com um golpe de arma branca, na região abdominal.

A vítima teve que ser submetida a uma cirurgia delicada, e ainda convive com o trauma. O fato aconteceu em julho de 2017. O réu, por não aceitar o fim do relacionamento, seguiu a vítima e a agrediu, provocando um grave ferimento.

A sessão do Tribunal Popular do Júri foi realizada ontem, no antigo fórum de Parnaíba. O Promotor de Justiça Ari Martins representou o MP-PI durante o segundo julgamento por feminicídio realizado na história da cidade.

“A atuação junto ao Tribunal do Júri reafirma o compromisso do Ministério Público com a proteção à vida e a promoção da segurança pública. Nos casos de feminicídio, essa atuação contribui também para a desconstrução da cultura machista que viola os direitos humanos e sociais das mulheres”, destaca Ari Martins

De acordo com a decisão da juíza Maria Vasconcelos, o réu não poderá recorrer em liberdade. Ela acredita que Evanilson poderá vitimar novamente a sua ex-companheira e que essa medida afetaria a imagem do Poder Judiciário.

“Portanto, conceder a ele, já condenado, o direito de recorrer desta condenação em liberdade, é razão suficiente para abalar a garantia da ordem pública, diminuindo a credibilidade da justiça e estimulando a prática de condutas delituosas por outras pessoas, além de configurar um desrespeito à sociedade”, disse a magistrada.

Mais na Web