Polícia

Noivo da advogada Izadora Mourão relata brigas na família por dinheiro

Segundo o noivo, a advogada já havia relatado que na casa da mãe, haviam constantes brigas, relacionadas a dinheiro e aos bens da família.
19/02/2021 17h44 - atualizado

O noivo da advogada Izadora Mourão, assassinada a facadas no último sábado (13), relatou, em entrevista ao Portal P2, que momentos antes do crime, a vítima estava se sentindo bem e tudo estava aparentemente normal.

Segundo o noivo, que não quis se identificar, os dois saíram na noite de sexta-feira (12) e dormiram juntos em uma pousada, após acordarem pela manhã, Izadora o deixou em casa e foi para sua residência, sem se queixar de nenhum problema de saúde. 

  • Foto: Divulgação/FacebookIzadora Mourão.Izadora Mourão.

“Ela estava super normal, foi por volta de 17h30 na minha casa, depois 18h a gente saiu para um barzinho, 22h nós fomos para a pousada dormir. Acordamos de manhã por volta de 06h, ela foi me deixar em casa para eu trabalhar e foi para a casa da mãe e toda vez que ela chegava na casa da mãe ela mandava mensagem para mim, mandava uma oração e palavras de carinho. A última mensagem que ela me mandou foi 07h22, ela me mandou oração e sempre depois mandava palavras de carinho só que nesse dia ela só mandou oração, 07h26 ela sumiu e geralmente ela não se afastava do celular, aí depois ja não tive mais contato com ela. Ela estava super bem, a gente estava feliz, ela não me relatou nada disso não, tanto que a mãe dela me disse que ela tinha chegado doente em casa e eu questionei porque ela não me disse porque comigo ela estava super bem, estava tudo normal aparentemente", afirmou.

O noivo disse ainda, que só ficou sabendo da morte de Izadora por volta das 11h da manhã. "Eu fiquei sabendo 11h eu estava trabalhando e não olhava celular, quando foi 11h eu fui para casa e minha irmã veio chorando, eu entrei em desespero, comecei a chorar, peguei o carro e fui para lá, quando eu cheguei na rua já vi a multidão de pessoas, muita polícia, eu não acreditei", relatou.

Ainda de acordo com o rapaz, a advogada já havia falado que na casa da mãe, haviam constantes brigas, relacionadas a dinheiro e aos bens da família. Ele também contou que nas brigas que a noiva relatava, a mãe dela apontava João Paulo, o irmão acusado do crime, de ser o único herdeiro da herança de família.

"Vou usar as palavras que ela usava para falar comigo no dia a dia, o que ela me relatava com as palavras dela era que lá tinha brigas constantemente relacionada a questão de dinheiro porque ela me dizia que a mãe dela sempre falava que ia deserdar ela, que a casa de Teresina ia passar para o João Paulo, que o sítio que ela tinha era do João Paulo, que a casa de Pedro II era do João Paulo, que o hotel era do João Paulo, que ela tinha que procurar um cara rico porque ela não ia ter herança, todo dia tinha essa confusão. Quando eu me encontrava com ela, ela estava triste, eu perguntava o que era e ela relatava que tinha briga na casa dela, sempre teve esse atrito relacionado a questão financeira", contou o noivo ao site P2.

O noivo de Izadora também disse que após a morte do pai, a advogada ficou desprotegida, e que ela já vinha relatando as brigas há três meses.

"Fazia três meses que ela vinha me relatando isso, ela falou que essas brigas já vinham há muito tempo. Quando o pai dela era vivo o pai dela gostava muito dela, era o protetor dela, quando o pai dela morreu há um ano atrás ela ficou desprotegida, ai ficou a guerra em cima dela", disse.

Com informações do Portal P2.

Mais na Web