Polícia

“Se ele mofar na cadeia é pouco”, diz delegada sobre Jefferson Costa

Segundo Vilma Alves, a Delegacia da Mulher está trabalhando para fortalecer as informações, e que confia na justiça para uma sentença que corresponda aos crimes cometidos pelo advogado.
16/07/2021 11h10 - atualizado

Na manhã desta sexta-feira (16), a delegada Vilma Alves, titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) falou ao Viagora a respeito do caso do advogado Jefferson Moura Costa, preso nessa quinta-feira (15), após ser acusado de estuprar uma mulher em um condomínio na zona Leste de Teresina.

Segundo a delegada, esse crime a deixou muito impressionada, e ressaltou que o advogado pode ser considerado um criminoso de alto risco, segundo ela, “Um estuprador observador”.

  • Foto: ViagoraDelegada Vilma Alves fala sobre o trabalho há 30 anosDelegada Vilma Alves

“Eu fico impactada, também porque envolve mulheres de periferia e essa forma de violência, esse estupro. Ele é um estuprador observador, ele observa os mínimos detalhes. De acordo com a leitura geográfica da vítima de ontem, prova que ele levava a vítima para dentro do seu apartamento”, disse.

De acordo com a delegada, uma das vítimas relatou que não denunciou antes devido ao medo por se tratar de um advogado e destacou que o peso que um estupro tem na vida dessas mulheres é irreparável.

“As vítimas têm medo, e nesse caso, é considerado uma figura importante, um advogado, com um poder aquisitivo, considerado rico. Um estupro pra mim, eu realmente me coloco no lugar dessas vítimas porque é um sofrimento que é irreparável, a gente nem mede, nem pesa de tão profundo, fere a mulher. Todos nós aqui da Delegacia sofremos com o sofrimento dela, com o desespero dela. Se ele mofar na cadeia ainda é pouco”, frisou.

Prisão Preventiva

O juiz da Central de Inquéritos de Teresina, Markus Calado Schultz, decretou nessa quinta-feira (15), a prisão preventiva do advogado Jefferson Moura. Na decisão, considerou que a medida é necessária devido à gravidade dos crimes e que a permeância da liberdade do acusado poderia pôr em risco a ordem pública.

  • Foto: DivulgaçãoAdvogado JeffersonAdvogado Jefferson

A delegada ressaltou que a Delegacia da Mulher está trabalhando para fortalecer as informações, e disse que confia na justiça do Piauí para uma sentença que corresponda aos crimes cometidos pelo advogado.

“Ele está sob a reponsabilidade do Tribunal de Justiça. Nós estamos preparando toda essa investigação para fortalecer essas informações criminais, quanto mais agravantes mais será, notadamente, a sentença de condenação. Eu confio na justiça do meu estado”, destacou.

Como denunciar

Vilma Alves destaca que as vítimas não devem ter medo de denunciarem os agressores, e que a Delegacia da Mulher está preparada para atender cada uma dessas mulheres.

“As mulheres não devem, vítimas terem medo, porque as delegacias foram criadas para dar o suporte, para que a mulher vivencie a sua cidadania, não tenha medo, a Delegacia não quer saber se é rico ou se é pobre. Nós estamos aqui preparadas, além das delegacias, nós temos o aplicativo Salve Maria, Delegacia virtual. Toda essa estrutura de defesa de seus direitos, nós temos a Delegacia Central de Flagrantes, tudo isso pra você, não tenha medo, venha denunciar porque você é cidadã, você não é coisa, nem propriedade, não se intimide”, declarou.

Números

- Central de Atendimento à Mulher (180);

- Patrulha Maria da Penha da Polícia Militar (190);

- Centro de Referência da Mulher Esperança Garcia (86 9416-9451);

- Aplicativo Salve Maria, da Secretaria Estadual de Segurança Pública.

Relembre o caso

Na madrugada da última quarta-feira (14), o advogado Jefferson Moura foi conduzido à Central de Flagrantes, após denúncia de estupro de uma mulher, que relatou que o caso teria acontecido enquanto realizava uma faxina em seu apartamento, em um condomínio na zona Leste da capital.

De acordo com a Polícia Militar, o advogado negou as acusações. A polícia informou que a vítima fez o exame de corpo de delito, que constatou a conjunção carnal. 

Segundo informações da Polícia Civil, ainda nessa quinta-feira (15), mais quatro mulheres também prestaram queixa contra o advogado por estupro.

Mais na Web