Viagora

Tecnologias aumentam produção de cajá em até cinco vezes no Piauí

De acordo com o governo, no sitio Tuturubá, zona rural de Teresina, a 26,7 quilômetros do centro da capital piauiense, a produção saltou de 3,4 toneladas no ano de 2021 para 8,1.

O Governo do Piauí divulgou que um projeto tecnológico financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do estado do Piauí (Fapepi) aumentou em até cinco vezes a produção de cajá em um dos locais onde o projeto foi implantado. Os experimentos que foram realizados em dois sítios e fazendas piauienses tiveram resultados promissores.

De acordo com o governo, no sitio Tuturubá, zona rural de Teresina, a 26,7 quilômetros do centro da capital piauiense, a produção saltou de 3,4 toneladas no ano de 2021 para 8,1 toneladas até o 21 de março deste ano, e com uma previsão de chegar a 15 até o final da colheita, que acontece em maio.

Foto: Divulgação/Embrapa Foto: Ronaldo Rosa (Embrapa)Tecnologia aumenta em cinco vezes a produção de cajá
Tecnologia aumenta em cinco vezes a produção de cajá

O projeto que teve um investimento de R$ 400 mil, adotou pacotes tecnológicos em dois sítios.  O trabalho que foi executado pelo pesquisador Valdemício Ferreira de Sousa, da Embrapa Meio Norte, na área obedeceu aos critérios técnicos com dosagens de nitrogênio, fosforo e potássio, via água de irrigação e com uma frequência de aplicação de 20 dias.

O governo informa também que no município de Água Branca, o projeto envolveu a produção de clones de cajazeiras de qualidade superior em um experimento com telados, para aparar e proteger as cajás que caem dos pés. Com o projeto das telas implantado, no sítio Samambaia, o aproveitamento da produção é de 100%. “Sem as telas, as perdas na colheita eram de 40%”, ressaltou Júlio César Lopes da Costa, produtor, engenheiro-agrônomo e proprietário do sítio.

Com o aumento da produtividade, os produtores tiveram outras perspectivas sobre a produção. Antes, como atuava apenas em produção caseira, João José Neto, proprietário do sítio Tuturubá, pensa em transformar a propriedade em uma agroindústria, aproveitando os cultivos de caju, acerola e manga.

Conforme o Estado, essa modelagem de sistema de produção de cajá está sendo feita por uma equipe de sete pesquisadores da Embrapa, com ações como a seleção de clones, manejo de irrigação na fase reprodutiva da cajazeira, identificação de pragas e doenças, definição da forma de colheita, avaliação da restrição radicular da planta, avaliação da desfolha na indução floral e estabelecimento de doses de nitrogênio, fósforo e potássio para a produção.

Por: Matheus Santos

Facebook
Indicado para você
Veja também