Viagora

Inflação não altera vendas de hortifrútis na Nova Ceasa em Teresina

Segundo o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o maior impacto de janeiro veio no grupo da Alimentação e Bebidas

  • Alexia Dias/ Viagora Nova Ceasa1 / 6 Nova Ceasa
  • Alexia Dias/ Viagora Nova Ceasa2 / 6 Nova Ceasa
  • Alexia Dias/ Viagora Francisleia, vendedora de morangos3 / 6 Francisleia, vendedora de morangos
  • Alexia Dias/ Viagora Nova Ceasa4 / 6 Nova Ceasa
  • Alexia Dias/ Viagora Nova Ceasa5 / 6 Nova Ceasa
  • Alexia Dias/ Viagora Nova Ceasa6 / 6 Nova Ceasa

Não são apenas as contas de início de ano, como o IPTU e o IPVA, que pesam no bolso do brasileiro em janeiro e fevereiro. As chuvas tradicionais neste período, também vêm contribuindo para deixar o preço dos alimentos mais caros. Principalmente de hortifrúti — hortaliças, legumes, verduras e frutas em geral.

Segundo o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o maior impacto de janeiro veio no grupo da Alimentação e Bebidas. Em relação a dezembro de 2023, o IPCA de janeiro ficou em 0,42% resultado abaixo do observado, de 0,56%. Os resultados foram divulgados na última quinta-feira (8).

Para os distribuidores da Nova Ceasa, em Teresina, aumentos na gasolina, diesel e até mesmo de chuva, tem um impacto significativo na hora de repassar ao consumidor. Francisleia trabalha em uma distribuidora de morangos, e conta que as vendas aumentaram. “Mesmo com o aumento dos preços, as vendas estão em disparada. Com alta no combustível tivemos que subir o preço da caixa que 35,00 e agora está 40,00 reais, mesmo assim estamos em alta, chegando a vender mais de mil caixas por dia”, conta.

A dona de casa Célia Maria, diz que as variações de preço na Nova Ceasa são relativos. “Quando você vem comprar aqui na Ceasa é mais barato do que comprar em vendas de bairro, claro que os preços ficam variando as vezes, já vim aqui e comprei o tomate por 6,00 kg e na outra semana estava de 4,00 reais”, explica Célia.

De acordo com o feirante, Placídio José, a maioria das pessoas que vendem no local, não se baseiam em inflação. “Vendemos pela lei da oferta e da procura, quando sobra mercadoria baixamos o preço para conseguir vender e não ficar no prejuízo. Outro ponto, eu vendo baseado no preço que eu compro”, disse.

Segundo o permissionário, as verduras que mais tem variação são – Tomate, Repolho, Cebola e Pimentão.

Mais conteúdo sobre:

Teresina

Piauí

Nova Ceasa

Facebook
Indicado para você
Veja também