Viagora

"Não vamos entrar em jogo de contra-ataque", diz João de Deus

O presidente estadual do PT afirmou também que o retorno de Lula ao estado se configura como uma das fortes estratégias adotadas na pré-campanha de Rafael Fonteles a governador.

Nesta segunda-feira (06), o presidente estadual do PT, ex-deputado João de Deus, falou sobre a vinda do ex-presidente Lula ao Piauí após o imprevisto de ser diagnosticado com covid-19. Além da pré-campanha de Rafael Fonteles a governador atrelada a imagem do petista.

Conforme João de Deus, o retorno de Lula ao estado se configura comouma das fortes estratégias adotadas pela executiva estadual do partido na pré-campanha de Rafael Fonteles. O presidente do partido afirmou ainda que agora espera novas orientações para saber uma nova data e programação definida.

Foto: Luis Marcos/ ViagoraDeputado João de Deus
Deputado João de Deus

“Nós estamos nesse momento focados na vinda do presidente Lula só que esta semana fomos informados que ele foi diagnosticado com Covid-19 e nós achamos por bem aguardar a nova orientação, mas essa era uma estratégia importante, ele inclusive já estava há algum tempo querendo vir a Guaribas, então diante da informação de que ele testou positivo para covid-19 nós decidimos aguardar nova orientação, mas estamos fazendo corpo a corpo, dialogando com a população, discutindo as propostas de programa de governo e interagindo com a sociedade, acho que é isso que cabe nessa fase de pré-campanha”, explica.

Questionado sobre como avalia a pesquisa eleitoral em que Rafael Fonteles lidera a disputa ao Governo do Piauí com apoio do ex-presidente, ultrapassando o pré-candidato da oposição Sílvio Mendes (União Brasil), João de Deus afirmou que esse é o aspecto real do que poderá acontecer.

“Sempre quando as pessoas me perguntam sobre pesquisa, especialmente, as vezes até preocupado porque quando a pesquisa não é feita vinculada o Rafael ficaria em segundo colocado, eu tenho dito o seguinte: você tem que pensar no ponto de vista da situação real, como é que vai se dar a campanha? Ela é nacional e é polarizada pelo debate nacional e ela influência nos estados, então isso é fato”, garante.

Segundo o presidente estadual do PT, as eleições deste ano estão muito polarizadas e a discussão que ocorre em âmbito nacional influencia diretamente nas disputas estaduais, dessa forma

"Nós vamos ter uma eleição que está muito polarizada repercutindo nos estados e a gente sabe a preferência do povo do Piauí, do povo nordestino em relação as duas candidaturas melhor posicionadas. Diante disso, nós sempre fazemos uma reflexão do que já aconteceu no passado 2010, 2006,2014 e toda vez que nós tivemos uma candidatura estadual sintonizada com uma candidatura nacional ela foi influenciada para melhor ou para pior a depender das candidaturas, essa é a leitura que a gente sempre fez e viu acontecer e que nesse momento onde a polarização é mais acentuada ainda nós sabemos que ela vai se repetir e é aí onde colocamos dentro da realidade onde vai se configurar o candidato A com apoio do presidente Lula, candidato B com apoio do atual presidente da República, é maios ou menos isso que vai acontecer, então quando a pesquisa faz essa sondagem já veiculando é levando em conta o aspecto real que vai acontecer que é essa veiculação que nós vamos fazer questão de fazer", ressalta.

O ex-deputado garantiu que atribuir a imagem do ex-presidente Lula não é algo que o pré-candidato vai esconder e vai defender com propriedade.

“Se o outro lado vai querer fugir, não vai querer ressaltar, o nosso papel vai ser mostrar quem é quem e quem defende o que nessa história e vamos fazer isso com muita propriedade sem atacar ninguém mostrando a realidade dos fatos”, destaca.

Em relação as declarações do ministro da Casa Civil, senador Ciro Nogueira, contra o governo Estadual e o pré-candidato Rafael Fonteles, o presidente estadual da sigla pontuou que não irá cair em um jogo de “contra-ataque”, além disso ele destacou que não pretender ter uma pré-campanha “violenta”, mas sim alegre e dialogando com os piauienses.

“Da nossa parte não, nossa campanha será alegre, muito para cima, pensando no Piauí, na população do nosso estado e do nosso país. Então nós não vamos entrar em jogo de contra-ataque, aliás todas as eleições que o PT ganhou no Piauí nós não fomos na onda do ataque, porque é tudo o que a população não quer, ela quer saber de propostas, de quem tem compromisso com esse estado, com esse país, nós vamos falar das coisas boas que conseguimos fazer e daquilo que pretendemos fazer para frente. Quem fez muito nesses últimos anos seguramente está credenciado pela população a fazer mais, a experiência tem nos demonstrado isso todas as eleições que nós ganhamos, inclusive, no primeiro turno”, diz João de Deus.

Facebook
Indicado para você
Veja também