Genevaldo Silva

Genevaldo Silva

Opinião & Política - Contato (86) 99839-8180 / 99423-5410 - E-mail: genevaldosh1@gmail.com

Recurso do Padre Walmir está parado há mais de 6 meses no TRE

20/05/2019 06h30 - atualizado

Um recurso apresentado pela defesa do prefeito de Picos Padre Walmir contra sentença que cassou seu mandato, está parado desde o mês de novembro de 2018 no Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI). No final do mês de maio o processo completará 7 meses sem movimentação. O relator do recurso é o desembargador Pedro de Alcântara da Silva Macêdo, vice-presidente do Tribunal e Corregedor Regional Eleitoral.

  • Foto: José Maria BarrosPrefeito de Picos Padre Walmir.Prefeito de Picos Padre Walmir.

O prefeito de Picos foi cassado em 1ª instância pelo juiz da 62ª zona eleitoral, José Airton Medeiros de Sousa, no dia 11 de julho de 2018 acusado de abuso de poder político e econômico. O magistrado julgou procedente uma Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (AIME). Também foi cassado o vice-prefeito, o empresário Edilson Alves de Carvalho (PTB).

No dia 16 de julho de 2018 a defesa do prefeito Padre Walmir interpôs um Recurso em Sentido Estrito contra a decisão do juiz de primeira instância. O recurso tem efeito suspensivo e permitiu que o prefeito e o vice permanecessem no cargo até o julgamento final do processo pelo plenário do Tribunal.

Além de perderem os mandatos, Padre Walmir e Edilson de Carvalho também foram condenados pelo magistrado a ficarem inelegíveis pelo prazo de 8 anos.

Entenda o caso

A ação foi ajuizada na 62ª zona eleitoral no dia 9 de janeiro de 2017 pela coligação “Pra cuidar da nossa gente”, formada pelos partidos PP, PRP, PPS, PV, PHS, PMB, Rede e PR. Aliança que era comandada pelo ex-prefeito de Picos, Gil Marques de Medeiros, o Gil Paraibano (PP) e pelo então vereador Antônio Afonso Santos Guimarães (PMB) como vice.        

Nas eleições de 2016 em Picos, eles ficaram em segundo lugar e recorreram à justiça pedindo a cassação dos mandatos do prefeito reeleito, Padre José Walmir de Lima (PT) e do vice, empresário Edilson Alves de Carvalho (PTB). A acusação foi de abuso do poder político e econômico.

Mais na Web