Coronavírus no Piauí

Covid: Ambulatório do Lineu Araújo realizou mais de 1.500 atendimentos

Para receber atendimento no ambulatório, os pacientes que ficaram com sequelas após infecção por Covid-19 podem se dirigir a uma Unidade Básica de Saúde (UBS).
01/05/2021 13h41 - atualizado

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) mantém um ambulatório específico para atendimento à população, que funciona no Centro Integrado de Saúde Lineu Araújo, inaugurado desde o início de seu funcionamento, em novembro de 2020, e já realizou um total de 1.581 consultas nas seis especialidades ofertadas pelo local.

Chamado de Ambulatório Pós-Covid, o serviço funciona em dias úteis, nos turnos manhã e tarde. Há oferta de consultas e exames nas áreas de cardiologia, nefrologia, neurologia, pneumologia, fisioterapia e nutrição, consideradas especialidades que contribuem para a completa recuperação do indivíduo.

  • Foto: Prefeitura Municipal de TeresinaHospital Lineu AraújoHospital Lineu Araújo

Para receber atendimento no ambulatório, os pacientes que ficaram com sequelas após infecção por Covid-19 podem se dirigir a uma Unidade Básica de Saúde (UBS). Em seguida são avaliados por médicos nesses locais e, se houver necessidade, são encaminhados para o ambulatório.

Já os pacientes com Covid-19 que estão internados nos Hospitais da Prefeitura, no momento da alta, podem também ser direcionados ao Centro de Saúde Lineu Araújo. Segundo o diretor do Lineu Araújo, Francisco Cavalcante, o ambulatório promove melhor qualidade de vida para quem sofre com as sequelas do coronavírus.

“Têm pessoas que tiveram Covid-19 e os sintomas persistem mesmo após o término dos 15 dias de isolamento. O acompanhamento da saúde dessas pessoas é necessário e agora o município está viabilizando o atendimento sequencial desses indivíduos”, ressaltou.

O médico infectologista e coordenador médico do Comitê de Operações Especiais (COE) da FMS, Walfrido Salmito, alerta que a Covid-19 pode trazer sequelas a curto, médio e longo prazos.

“A Covid-19 é uma doença nova, que ainda é alvo de estudos científicos pelo mundo, mas sabe-se que a lista de sequelas dessa infecção é extensa e pode comprometer o funcionamento de diversos órgãos. Os pacientes podem, por exemplo, desenvolver pneumonia, ter disfunção renal, além de problemas neurológicos, cardíacos e pulmonares”, destacou.

Mais na Web